top of page

Estado e empresários discutem ações para a reconstrução do RS


O processo de restauração deve levar em consideração as novas realidades climáticas


A reconstrução do Rio Grande do Sul, etapa posterior ao salvamento de vidas nas enchentes que devastaram mais de 80% do Estado desde o fim de abril, foi tema de reunião híbrida convocada pelo governador Eduardo Leite e pelo vice Gabriel Souza na terça-feira (7). Com a presença de secretarias, instituições financeiras, entidades e empresários, foram apresentadas as ações que estão sendo feitas para preservar vidas e recuperar os setores produtivos do Rio Grande do Sul. O governador fez a abertura contextualizando a situação atual do Estado, que conta com 401 municípios atingidos, salientando, apesar de tudo, que os eventos ainda estão em andamento. Leite destacou a posição do governo em relação à segurança pública, assistência social, saúde e divulgação de informações, uma vez que circulam boatos que atrapalham o trabalho que está sendo desenvolvido.O chefe do Executivo estadual reforçou que está em contato com governadores de outros estados para pedir auxílio, em especial aos que fazem parte do Consórcio de Integração Sul e Sudeste (Cosud).


A destinação das doações dos valores por Pix e o plano de reconstrução e seus desafios foram as pautas principais da reunião, pois devem exigir medidas extremamente excepcionais e que necessitarão do apoio da esfera federal. "Minha grande preocupação é dar ao Brasil a noção do que está acontecendo aqui", disse Leite. O governador explicou que pretende estabelecer uma autoridade estadual de reconstrução, com caráter técnico e com uma estrutura dedicada. O projeto passará pelas etapas de assistência, restabelecimento e reconstrução, que focará na recuperação do Rio Grande do Sul, e de prevenção e resiliência climática, que formulará estratégias para que se possa prevenir e minimizar as emergências climáticas. O governador afirmou que os planos já estão sendo elaborados, com o auxílio das secretarias do Estado e entidades, para conduzir da melhor maneira o processo.


O titular da Secretaria de Desenvolvimento Econômico (Sedec), Ernani Polo, iniciou sua fala agradecendo aos empreendedores, gaúchos e de outros estados, presentes na reunião por sua disponibilidade em colaborar com a reconstrução do Rio Grande do Sul. Também mencionou o setor da proteína animal, que está ajudando com alimentos e logística. "Precisamos que todas as esferas do poder público e da sociedade civil organizada se unam para enfrentar o momento difícil que estamos passando", disse. Polo garantiu que será mantida a conversa com o setor produtivo para construir caminhos viáveis, tendo atenção aos aspectos fiscais e jurídicos durante o processo.


O Gabinete de Apoio ao Empreendedor, coordenado pela Sedec, já está levantando os impactos nas micro, pequenas e médias empresas para encaminhamentos das ações de apoio. A titular da Secretaria da Fazenda (Sefaz), Pricila Santana, informou que se reuniu com secretários de Fazenda de todo o país com o intuito de simplificar procedimentos e dar agilidade e capacidade de reação do setor produtivo gaúcho. Também está sendo feita, em coordenação com bancos gaúchos, a organização de oportunidades de recuperar as empresas debilitadas, preservando a sua segurança financeira. "Estamos sendo procurados por multinacionais, com fundos privados, que conseguirão disponibilizar crédito a taxas menores", disse Pricila. A titular da Sefaz afirmou que nada será feito sem ouvir os empresários, pois é necessário entender onde estão os gargalos para agir de forma assertiva.


Os empresários que participaram da reunião foram unânimes em seus pedidos por cobranças ao governo federal pela liberação de verbas e postergação da dívida com a União. Em suas manifestações, também destacaram a cooperação e a solidariedade como fatores essenciais para enfrentar esta crise. O presidente do Transforma RS, Daniel Randon, ressaltou a união dos empresários com o poder público, salientando ser necessário um bom alinhamento, de forma sincronizada e sob a organização do governo, para recuperar o Estado. O empresário José Galló chamou a atenção para o fato de que o processo de reconstrução deve levar em consideração as novas realidades climáticas.


O empresário paulista, Luciano Luft, informou que o centro de doações em São Paulo já arrecadou toneladas de doações e que está recebendo ligações do Brasil de empreendedores querendo ajudar, mostrando a solidariedade do país com o Estado. O presidente da Cotrijal, Nei Mânica, disse que foi solicitado ao governo federal apoio ao campo e destacou que o povo gaúcho é um desbravador e que certamente vai conseguir reconstruir o que foi perdido. Leite encerrou a reunião explicando que o Estado terá dificuldades e que não será fácil fazer essa organização. O governador reforçou que o Rio Grande do Sul está em um período de urgência, operando com fatores críticos de sobrevivência, que demandam uma grande remobilização em vários setores econômicos e muitos recursos. "Precisaremos reerguer estradas, casas, vidas e, fundamentalmente, o futuro do Estado. No final desse processo, todos teremos orgulho do que fizemos", disse o governador.

Posts recentes

Ver tudo

O consumidor brasileiro hoje

O sentimento e os hábitos de quem consome no Brasil É a hora e a vez dos “consumidores zero”: eles buscam experiências de compra omnicanal, são menos fiéis a marcas, poupam enquanto se permitem alguns

Comments


bottom of page