top of page

Mercado farmacêutico na América Latina divide olhar para dois países


Dois países dividirão as atenções do mercado farmacêutico na América Latina, segundo projeções da Statista até 2026. E uma rede de farmácias do nosso país deve ser a menina dos olhos do setor.


A consultoria traçou uma comparação entre o valor de mercado do varejo farmacêutico obtido em 2021 e a previsão para daqui a dois anos, com base nas análises dos balanços anuais de cada rede.


A RDsaúde, nova marca da RaiaDrogasil e proprietária das bandeiras Raia e Drogasil, alcançou US$ 3,5 bilhões (R$ 19,2 bi), mas essas cifras devem crescer 57% até 2026 – para US$ 5,5 bilhões (R$ 30,2 bi).


O crescimento tende a ser bem superior ao das Farmacias Guadalajara, segunda maior rede do mercado farmacêutico na América Latina. O avanço previsto é de 37,5% – de US$ 3,2 bi (R$ 17,6 bi) para US$ 4,4 bilhões (R$ 24,2 bi).


Players do mercado farmacêutico na América Latina em alta


O maior player do mercado farmacêutico na América Latina vem investindo na expansão orgânica da capilaridade. A RDsaúde abriu 270 farmácias em 2023, dez unidades acima do número projetado para o período. Para 2024 e 2025, a meta é abrir entre 280 e 300 lojas por ano. A rede aponta ainda que alcançou 16,1% de participação de mercado em nível nacional.


Além do aumento de PDVs, a consultoria salienta o fato de a varejista concentrar suas fichas na oferta de serviços de saúde. Em março, a empresa anunciou a mudança de sua marca corporativa justamente com o objetivo de se posicionar como um hub de orientação clínica e bem-estar.


A gigante do México


As Farmacias Guadalajara, pertencentes ao Grupo Fragua, também miram esforços na inauguração de lojas físicas. Só no ano passado, nasceram 150 farmácias mexicanas pelas mãos da companhia.


Como resultado, a rede gerou 3.280 empregos diretos em 2023 para absorver esse plano de crescimento. Hoje já está presente em todos os 32 estados do México.


Por: Ana Claudia Nagao

Posts recentes

Ver tudo

O consumidor brasileiro hoje

O sentimento e os hábitos de quem consome no Brasil É a hora e a vez dos “consumidores zero”: eles buscam experiências de compra omnicanal, são menos fiéis a marcas, poupam enquanto se permitem alguns

Comments


bottom of page