top of page

Novos modelos de lojas surgem a cada dia para se adequar às rápidas mudanças do consumidor


Conheça 4 exemplos práticos de redes internacionais que estão testando, implementando ou mixando conceitos


Acompanhar as mudanças no comportamento do consumidor é quase uma luta diária para cada área dentro do varejo. Como consequência, promover ajustes nas lojas para manter uma experiência alinhada aos desejos dos clientes é um desafio constante do setor, seja no Brasil ou em qualquer outra parte do mundo.


Por essa razão, buscamos alguns exemplos de varejistas estadunidenses que estão implementando ou testando novos conceitos ou estratégias envolvendo suas lojas físicas. Algumas delas já foram observadas em visitas realizadas na Missão de Orlando , promovida pela SA+ Internacional, braço da SA+ Ecossistema de Varejo, que aconteceu em outubro último e se repetirá no ano que vem. Confira a seguir.


Nude Foods Market: sem desperdício


A proposta da varejista, que nasceu de um delivery e hoje opera também com loja física, é eliminar ou reduzir o descarte de embalagens e buscar o desperdício zero.


Na loja, os produtos de praticamente todas as categorias chegam em contêineres de vidro. A prioridade no sortimento é trabalhar com marcas e empresas locais, que utilizam preferencialmente insumos reciclados.


Por lá, também é possível encontrar vegetais orgânicos com aparência ruim, mas de qualidade boa para serem consumidos.


A proposta da Nude Foods Market, fundada em 2017, nasceu do objetivo de oferecer aos sul-africanos uma alternativa de compra. Somando-se a isso, o fundador Paul Rubin se sentia frustrado com a quantidade desnecessária de embalagens usadas regularmente pelos supermercados.


Plant-X: foco na especialização


As lojas físicas ainda perdem em sortimento para a venda online de produtos veganos, um segmento que, se não é tão volumoso, ao menos tem consumidores fiéis e que habitualmente possuem um tíquete médio superior à média.


Nos EUA e no Canadá, enquanto as lojas físicas ficam mais limitadas, as operações de e-commerce se destacam por oferecer uma enormidade de itens veganos, que passam por charcutaria, nuggets, queijos e laticínios em geral, entre outras categorias.


Nesse contexto, a canadense Plant X, uma loja especializada em plant-based com três unidades físicas, tem aproveitado sua operação online para vender uma gama muito maior de produtos. Atualmente, a empresa oferece mais de 5.000 itens veganos, como camarões, hambúrgueres, proteínas de planta desidratada, sucos e mais de 40 tipos de laticínios. A companhia também atua vendendo esses produtos no atacado.


Fermentation Farm: nicho com propósito


A varejista da Califórnia atua na venda de alimentos fermentados, que incluem Kombucha, chucrute e kimchi – alimentos condimentados típicos da culinária coreana –, entre outros.

A empresa nasceu em 2014, impulsionada pela crença da quiroprática Yasmine Mason nos benefícios à saúde trazidos por bactérias que ajudam o organismo. Dessa forma, fazem parte do sortimento da Fermentation Farm diversos tipos de produtos probióticos.


Orchard Grocer: praticidade e especialidade


Numa metrópole como Nova York não surpreende o surgimento de conceitos que unem mais de uma tendência de consumo. No caso da Orchard Grocer, a proposta de sabor e praticidade está explícita no modelo de delicatessen e a especialização no fato de se concentrar em pratos para os consumidores veganos. Ao todo, são 126 opções para os moradores da região.


Os clientes também podem sair da loja, que fica em Manhattan, com alimentos e bebidas à base de plantas para consumo em casa. Além da proteína animal, a varejista evitar comercializar alimentos que tenham alguns tipos específicos de óleos.

Posts recentes

Ver tudo

Comentarios


bottom of page