top of page
  • SBVC

Ticket médio do foodservice brasileiro cresce 38% em junho, aponta IFB


Crescimento nominal no setor foi de 11%; aumento acumulado do mercado atingiu 12,5% nos últimos 12 meses


O ticket médio do foodservice brasileiro cresceu 38% em junho, na comparação com o mesmo mês do ano passado, segundo o Índice de Desempenho Foodservice (IDF). O indicador é apurado pelo Instituto Foodservice Brasil (IFB) com empreendedores associados.


O crescimento nominal no setor foi de 11%. O aumento acumulado do mercado atingiu 12,5% nos últimos 12 meses. O faturamento nas lojas de rua e nos centros comerciais tiveram um aumento também de 11% e o número de transações teve variação positiva de 5% em junho e no acumulado do ano.


“Os dados revelam a consolidação na retomada da economia, após sérios impactos da pandemia, já que o setor foi um dos mais prejudicados pelo fechamento dos estabelecimentos. Hoje vivemos outros desafios econômicos que pedem que as empresas se mantenham ligadas às tendências e aos indicadores de mercado para traçarem estratégias criativas e eficientes”, analisa o , gerente de marketing do IFB, Lucas Roberto.


Ainda de acordo com os dados do Instituto Foodservice Brasil, a quantidade de lojas no setor de alimentação fora do lar se manteve estável em relação a maio de 2022, com pequeno aumento de 0,4%, atingindo um total de 6.867 unidades no País. Em relação a participação do canal delivery no total das vendas, as entregas atingiram 21% do total.


Desafios do foodservice


O segundo trimestre de 2023 mostrou que um dos desafios do foodservice brasileiro neste ano é a economia, destacou Eduardo Bueno, head de Pesquisa e Inteligência na Mosaiclab, em artigo publicado na Mercado&Consumo.


O especialista destaca que indústria, varejo e serviços ficaram estagnados no período. O desemprego caiu, mas refletindo a redução do número de pessoas que procuram emprego, sem impacto positivo no rendimento real médio da população.


“É um cenário de estagnação do setor, após trimestres de normalização da performance, mas existem boas notícias para o foodservice brasileiro, com importantes pontos de atenção, oportunidades e desafios. Ainda que a queda do desemprego não traga ainda ganhos efetivos no rendimento e no fortalecimento do mercado de trabalho, seus impactos são sentidos no tráfego do setor, que aos poucos se recupera – são duas variáveis com forte correlação, e a recuperação, ainda que lenta, do mercado de trabalho fortalece aos poucos o fluxo de visitas em restaurantes, em seus diferentes canais e ocasiões”, afirma.

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page