top of page

EXCLUSIVO: Zamp vai operar o Starbucks no Brasil


O Starbucks escolheu a Zamp – a master franqueada do Burger King e do Popeyes no Brasil – para operar sua marca no País, fontes a par do assunto disseram ao Brazil Journal.


A empresa americana já informou a Zamp sobre a escolha e autorizou a companhia a começar a negociar o espólio da SouthRock.


Segundo uma fonte, a Zamp tem a opção – mas não a obrigação – de comprar as 140 lojas que a SouthRock ainda tem em operação.


Uma negociação neste sentido precisaria ser fechada até o final deste mês, já que depois deste prazo a SouthRock perderá o direito de usar a marca Starbucks. O prazo inicial dado pela matriz era o final de fevereiro, mas a Starbucks prorrogou até abril para ter tempo de achar um novo operador e manter as lojas abertas.


“Para a Zamp, o melhor seria adquirir o espólio da SouthRock, mas precisa fazer sentido economicamente e o processo precisaria ser rápido, porque tem 40 lojas com processo de despejo,” disse uma fonte.


Nos últimos meses, a SouthRock fechou 50 das 190 lojas do Starbucks no Brasil. As que continuam abertas estão sofrendo com falta de produtos, e a SouthRock não tem conseguido pagar sequer os royalties e o café, que é vendido exclusivamente pela matriz. (A Starbucks tem enviado café de graça para manter as lojas rodando).


As fontes disseram que, depois da experiência com a SouthRock, um operador com perfil de private equity, a Starbucks estava buscando um parceiro com o know how de operar restaurantes e que tivesse uma governança forte – dois atributos que a Zamp entrega.


Para a Zamp, o contrato adiciona a seu portfólio uma marca global com forte potencial de expansão – e com receita relevante.


No ano passado, a SouthRock faturou cerca de R$ 500 milhões com as 190 lojas do Starbucks que tinha na época. Segundo uma fonte, as lojas que foram fechadas eram as que davam prejuízo, e as que sobraram têm rentabilidade “boa”.


Pela falta de produtos, as lojas que sobraram estão rodando este ano com um faturamento 30% menor que o do ano passado.


O contrato da Zamp com o Starbucks será no modelo de operador único, em que o parceiro local não pode franquear as lojas; ele opera todas e paga royalties à matriz. Como é comum neste tipo de contrato, o operador se compromete em abrir um número X de lojas num determinado período de tempo, fazendo todo o capex necessário para isso.


Uma fonte disse que a Zamp enxerga uma oportunidade grande de expandir a marca para outras regiões do Brasil – hoje, a grande maioria está no Sudeste, especialmente São Paulo – e em abrir lojas de rua.


“No Brasil, a marca mal começou sua trajetória de ir para a rua, onde existe uma oportunidade clara de desenvolver a ocasião de consumo do café da manhã,” disse essa fonte. “No mundo, as lojas de rua são predominantes, porque é onde faz mais sentido para a proposta da marca.”


No México, por exemplo, onde o Starbucks é operado pela Alsea, das 820 lojas da marca apenas 80 estão em shoppings.


A transação com o Starbucks vem alguns meses depois do Mubadala Capital – ligado ao fundo soberano de Abu Dhabi – assumir o controle da Zamp com uma visão de transformar a empresa numa ‘house of brands’ do fast food.


Por: Pedro Arbex

Posts recentes

Ver tudo

O consumidor brasileiro hoje

O sentimento e os hábitos de quem consome no Brasil É a hora e a vez dos “consumidores zero”: eles buscam experiências de compra omnicanal, são menos fiéis a marcas, poupam enquanto se permitem alguns

Comments


bottom of page